sexta-feira, 5 de agosto de 2022

Salamanca, a Dourada!




Salamanca era uma das cidades que já tínhamos debaixo de olho há algum tempo. Tudo o que tínhamos lido sobre a cidade, aguçou a nossa curiosidade de a conhecer. Fizemos as contas à distância (350km +-), e decidimos ser este o destino para uns dias fora de casa.


A caminho!


Saímos com o trajecto definido para Ávila (↗), onde iríamos passar uma noite, e só depois seguir para Salamanca (Ávila é 100 km +- depois de Salamanca). Optámos por ir por Bragança, que ficava à mesma distância que ir pela A25, e a nível de portagens é um bocado mais barato.

Viagem fácil de fazer, com estrada boa, e sem grandes sobressaltos, foi um tirinho, exceptuando da entrada de Espanha até Zamora, onde o percurso é numa estrada nacional, e os limites são para cumprir!


Pés, para que te quero!


A zona histórica de Salamanca é quase exclusivamente pedonal, e a escolha de um Hotel na zona central reveste-se de especial importância. É certo que o estacionamento nesta zona também não é fácil nem barato, pelo que tivemos que optar por deixar o carro num parque público subterrâneo. Há várias alternativas, que variam entre os 14€ e 16€ por dia, e estão bem sinalizados. 

Posto isto, é hora de dar corda aos calcantes para conhecer esta magnífica cidade, onde não faltam motivos a cada esquina!


Plaza Mayor


Se em Portugal cada terra tem o  seu Café Central ou Avenida, em Espanha, há uma Plaza Mayor em cada povoação! E foi por aqui mesmo que começamos o nosso percurso, na emblemática Plaza Mayor, a 50mt do Hotel onde ficámos. Aqui fica o Posto de Turismo, e é uma das razões para se iniciar a visita a partir deste local.

Depois de uma breve explicação, e de algumas dicas devidamente marcadas no mapa que nos deram, começamos a desvendar a cidade com a Universidade mais antiga de Espanha!










Há imensos grupos a sair daqui da Plaza Mayor para fazerem um tour pela cidade, pela sua centralidade e por o posto de turismo ser aqui, claro.

Seguimos pela rua Mayor, onde as esplanadas invadem o caminho, e logo, logo, chegámos aos primeiros pontos de interesse: a Casa de las Conchas e La Clerecia!




Casa de Las Conchas





Actualmente é Biblioteca Pública, este que é um dos mais emblemáticos edifícios de Salamanca. O edifício é um dos melhores exemplos do Gótico Espanhol. As mais de 300 conchas que revestem a sua fachada, são a base de algumas lendas, que rezam haver jóias escondidas numa das conchas, sendo que quem quisesse tentar adivinhar, teria que depositar como caução o valor que acharia que ia encontrar.

Se acertasse, na concha e valor, era para ele, caso contrário, revertia a caução para a casa! Basicamente, temos aqui o precursor do Preço Certo! 











Igreja La Clerecia e Universidade Pontifícia





Datando de 1611, durante século e meio foi sede dos Jesuítas, até que Carlos III resolveu expulsá-los de Espanha. Muitos anos se passaram até que no séc. XX foi convertida em Universidade. Esta zona começa a transportar-nos para outros tempos, pela beleza e imponência  dos palácios e igrejas que aqui abundam!









É possível subir às suas torres, para aproveitar a vista, pela módica quantia de 3,75€


Victor Salamanca!


Continuando pela Calle Libreros, vamos dar à porta da Universidade mais antiga de Espanha. Pelas suas paredes fora vamos encontrando símbolos pintados, o famoso Victor Salamantino, que representa a vitória de ter terminado o curso. Esta simbologia é centenária, e se inicialmente era utilizado sangue de touro e verniz para eternizar este feito, hoje serão utilizadas outras matérias primas. Este Victor foi tão impactante que ainda hoje é reconhecido como símbolo da cidade e da universidade.


 Imperador Akihito e emperatriz Michiko também têm lugar aqui 



E chegamos às portas da Universidade! Aqui temos a primeira curiosidade de Salamanca: a famosa rã!
Reza a lenda que quem encontrasse a rã na fachada da Universidade, teria o caminho desbravado para terminar o curso com sucesso. Muita gente por aqui passa na tentativa de descobri-la, e grupos guiados têm a missão facilitada




E aqui está ela, em cima de uma das caveiras que ornamentam a fachada. É assim um bocado intimidante, mas es lo que es!





Mas atenção! Como ouvimos um guia a dizer a um grupo de turistas, mau será não encontrar a rã, mas pior é não ver nada mais do que a rã! Percam uns bons minutos a apreciar a fachada!

Nas nossas costas, temos a entrada para o Pátio das Escolas Menores, onde na biblioteca encontrámos o Céu de Salamanca, pela visão do pintor Fernando Gallego.








Na entrada há uma placa que diz claramente que é proibido tirar fotografias, mas perguntámos ao senhor que lá estava se podíamos tirar sem flash, ao que ele acedeu.

Respeitar as normas é sempre importante e de bom tom, convém não esquecer!







A luz ambiente é controlada, e é aconselhável esperar pelo menos 5 minutos, para os nossos olhos se habituarem ao escuro. Vale a pena! 

A entrada é grátis (2022).




Catedral Velha e Catedral Nova






A Catedral velha e a nova fundem-se numa só, formando uma construção monumental! Uma mescla de estilos, entre românico, barroco e gótico, tornam-na numa obra de arte ímpar, e com uma beleza incrível.










Optamos por não visitar o interior, mas sim subir às torres, onde se pode ter uma visão expandida da catedral do alto, e ver a exposição Ieronimus. No trajecto, passa-se pela nave principal, e é possível ter a noção do tamanho XXL desta catedral!









No topo está sempre a cereja! Uma vista quase 360º de Salamanca, dos 100mt de altura da Catedral! Como a visita custa 4€, preferimos fazer esta à da subida das torres da Clerecia (3,75€). Até chegar às Campanas, pode-se caminhar pelos passadiços que andam em torno da catedral, e aproveitar as vistas dos parapeitos, deslumbrantes! Esta é uma visita a não perder!












Torre de Campanas



Ter em atenção que quem for mais susceptível às alturas, ou a espaços fechados, poderá não ser aconselhável. Na subida final, a escada é bastante estreita, e há um semáforo para evitar que as pessoas se cruzem no trajecto. Quem já subiu ao zimbório do Santuário de Santa Luzia, em Viana do Castelo, já sabe como é!





Anacronismos ou talvez não...

Há aqui por Salamanca algumas curiosidades para descobrir. A rã na fachada da universidade é uma delas, como já aqui falamos, e a mais antiga. 





Há porém, mais para descobrir nas paredes e fachadas. Na Catedral, estarão por certo, as mais bizarras, mesmo na fachada principal. Ora vejam:







Mas então, o que é que se passou aqui? Será que Nostradamus ajudou na construção da catedral, e com a sua visão, imaginou como seria o homem no espaço?!? E já haviam sorvetes há 500 e tal anos atrás?!?

Bem, a explicação é mais simples do que se possa imaginar! Em 1992, por ocasião da exposição "As Idades do Homem", que aqui decorreufoi realizado um trabalho de restauro ao portal que se encontrava bastante degradado.

Miguel Romero, um dos escultores que participou nos trabalhos, teve a ideia de identificar a parte nova, deixando como assinatura um astronauta, como símbolo da era espacial. O leão (ou fauno, fica ao critério de cada um decidir o que é), e o seu sorvete é mais um 'easter egg' presente nas fachadas viradas para a Plaza de Anaya.



Horto de Calixto e Melibea



Seguindo pelo Pátio Chico, continuamos a apreciar todo o esplendor da Catedral, até chegarmos ao Horto de Calixto e Melibea. Inspirado na obra de Fernando de Rojas, Tragicomédia de Calixto e Melibea (que desconhecíamos em absoluto, assumimos), fica em cima de parte da antiga muralha salamantina.










Confesso que não ficamos deslumbrados com este local, que é relativamente pequeno. Será mais um local a visitar pela carga histórica que tem.


Como Salamanca é rota para Santiago, mesmo colado ao Jardim há um Albergue, para que os peregrinos descansem e reestabeleçam energias para o caminho que ainda falta até Compostela.


Convento de San Esteban






Descendo para a Plaza de Carvajal, seguimos pela rua com o mesmo nome, passando pela Cueva de Salamanca, que se encontrava encerrada por risco de queda. Local místico, aqui, dizem, o Diabo ensinava as ciências do oculto e magia negra! Seria interessante de conhecer, mas ficará para outra vez!

Chegamos então ao Convento de San Esteban. Mais uma obra monumental, numa cidade que parece ter uma em cada esquina e canto!












Daqui seguimos em direcção ao Rio que banha a cidade, o Tormes, não antes sem a Ana descobrir que é uma santidade! 😁









Apreciem daqui a fachada da Casa Lis, que alberga o Museu Art Nouveau e Art Déco!






Tapear!


Aqui em Salamanca, uma coisa é certa, não se come mesmo nada mal! São imenso os locais para apreciar o melhor da gastronomia espanhola e salamantina, e há para todos os gostos e carteiras.

Nós fizemos como se costuma dizer, à terra onde fores ter, faz como vires fazer. Um nome surgiu sempre, quando se pesquisava algo sobre restaurantes em Salamanca, Calle van Dyck!

Conotado como sendo um local barato, e claro, escolha principal dos estudantes, encontrámos uma zona que tem belíssimos restaurantes, com várias opções de comida, e com preços ainda à estudante! É obrigatório passar por aqui e experimentar! Tapeamos?

🛈 
O valor das refeições variou entre os 22€ e 32€ para os dois, sempre com vinho.
 

👉La fresa



Este era um dos restaurantes que queríamos conhecer, pelo que já tínhamos lido. Uma excelente opção, que só conseguimos visitar à 2ª tentativa. Casa impecável, com um balcão sempre cheio de clientes, como é suposto ser. Lista de vinhos muita extensa, de várias regiões. Fomos nas tapas (entre 2 e 2,50€!), quentes e frias, com uma óptima apresentação e deliciosas! Recomendadíssimo!


Calle de Van Dyck, 8



👉 Méson Los faroles


Foi a nossa primeira paragem, porque o La Fresa estava lotado! Casa simples, estilo tasquinha, com uns petiscos muito bons. O funcionamento é curioso, pega-se num papel com as opções que há, marca-se o que se pretende, e entrega-se no balcão. Quando estiver pronto, chamam para se levantar. Não sendo extraordinário, foi o sítio mais barato onde comemos.

Calle de Van Dyck, 26



👉Taberna Galatea



Colada à Plaza Mayor, esta taberna foi uma óptima surpresa. Pequena, mas arrumadinha, com uma boa esplanada no passeio, comemos aqui das melhores tapas no prato em Salamanca. Simpatia no atendimento (na escolha do vinho até nos deram a provar um pouco, para ver qual mais gostávamos), a comida foi simplesmente fabulosa! A par do La Fresa, foi dos restaurantes que mais apreciámos! Recomendadíssimo, claro está!

Calle Prado, 11



👉 Café-Bar Rua


Almoçamos aqui (petiscamos, vá...), num dos dias que estivemos em Salamanca. Muito central, na Rua Mayor, junto à Plaza Anaya, tem um atendimento rápido e bons petiscos. Preços bem simpáticos.

Rua Mayor, 46



👉 Taberna de Dionisos

Próxima da Plaza Mayor, descobrimos esta taberna de tapas e vinhos. Espaçosa, aqui as tapas são maioritariamente frias. Têm menus de tapas, que ficam mais baratos. Sem deslumbrar, é mais uma opção a ter em conta aqui em Salamanca

Calle Íscar Peyra, 16



E para dormir?


Ficámos no Hotel Matilde by gaiarooms, reserva efectuada na Booking. Extremamente central, colado à Plaza Mayor e ao início da Rua Mayor, foi uma opção válida.

Não é propriamente um Hotel, como o nome indica, não tendo sequer recepção. Tudo é feito pela app do telemóvel, abrir a porta principal e a porta do quarto, o que pode ser um contra para quem não se sinta muito à vontade com estas tecnologias, ou se o tarifário do telemóvel não incluir roaming, claro está!

Será mais um hostel que se vê um pouco por toda a Europa, onde tudo é feito sem nos cruzarmos quase com ninguém. Algum problema, terá que ser efectuado o contacto pelo whatsapp, que é por onde eles enviam o link para a app do nosso quarto. Aqui em Salamanca encontrámos vários alojamentos que são geridos pela mesma empresa do Hotel Matilde.

O pequeno-almoço é servido num café contíguo, que pode ser também o local onde entregar o cartão da porta do quarto (que se encontra no seu interior).

Vamos voltar porque:


- A localização é excelente
- O quarto é moderno e muito arranjado, e com varanda
- O preço

Mas...


- Não tem mini-frigo.
- Não tem persianas, só uma espécie de black-out
- Não é um Hotel, como o nome indica.




¿Qué tal?


Salamanca é uma das cidades históricas de Espanha. A sua universidade é a mais antiga de nuestros hermanos, tornando-a uma cidade bem jovem. A singularidade das suas ruas empedradas e a característica cor dos seus edifícios e monumentos é razão para também se chamar de A Dourada a Salamanca, e com toda a razão. Há imenso para conhecer por aqui, e por certo que deixamos alguma coisa mais para ver numa próxima vez. 

A sua zona histórica é praticamente toda pedonal, o que lhe confere uma vantagem extra, para quem a quer conhecer. Pareceu-nos uma cidade bem organizada, com bastantes parques subterrâneos na zona de maior afluência, com muita oferta a nível da restauração, com preços justos. Nisto, ainda temos que aprender muito com os Espanhóis, não é com preços exorbitantes que se conquistam clientes e turistas.

Como já referimos, ao visitar Salamanca, mais vale estacionar logo o carro, e escolher um hotel mais central, para facilitar as coisas. Há oferta q.b., e para todos os gostos. O resto, faz-se, e bem, a pé!

Como complemento, podem sempre fazer como nós fizemos, e ir conhecer Ávila (que muralha incrível!), e Segóvia, com o seu aqueduto monumental e o alcázar, que é magnífico! Pés ao caminho!